Sedentarismo, o mal do século

Sedentarismo é a ausência ou redução de atividade física ou esportiva de um indivíduo. Sabemos que a pessoa fisicamente ativa tende a ser mais saudável, com maior qualidade e expectativa de vida.

As últimas pesquisas de 2016 constataram que temos no Brasil 46% de sedentários. E que desses, os homens são o maior número comparados com as mulheres. As maiores taxas de sedentarismo são encontradas entre os indivíduos de baixa escolaridade. O crescimento global e o tempo escasso exercem impacto direto sobre os índices do sedentarismo assim como o estresse do dia a dia.
O IBGE afirma que 100 milhões de pessoas com 15 anos ou mais não praticam esportes no Brasil. Assim observamos que, conforme nossa população cresce, maior é o índice do sedentarismo.

Dados de sedentarismo mundial:

  • Brasil: 45,9%
  • SP: somente 30,7% praticam atividade física.
  • RJ: 41% praticam atividade física.
  • BRASILIA: 52,1% praticam atividade física.
  • EUA: 40,5%
  • Portugal: 53%
  • Argentina: 68,3%

Sabemos que o sedentarismo não é uma doença, mas é um hábito que resulta em várias doenças. Por isso, é considerado o mal do século e devemos combatê-lo desde a infância.

Os pais e a família são o alicerce da educação de atividade física no cotidiano, evitando assim o desenvolvimento precoce de inúmeras doenças.

Os grandes benefícios de deixar de ser sedentário são muitos: maior disposição; relaxamento; menos stress; redução de sintomas na menopausa; redução de alergia em crianças; redução de infecções; renovação cerebral (pois quem não se exercita, antecipa atrofia cerebral precoce); fortalecimento músculo esquelético (reduzindo assim fraturas e risco de quedas); aumento do rendimento escolar; redução do risco de maus hábitos como uso de tabaco, álcool e drogas; redução da pressão arterial; melhor qualidade da relação sexual; redução do declínio da capacidade cognitiva; etc.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, atividade física é qualquer movimento corporal produzido pelos músculos que resulta em gasto energético.

Nossa Sociedade Brasileira de Cardiologia comprova os inúmeros benefícios da prática regular e progressiva de exercícios físicos,. Sendo assim, recomenda-se exercícios conforme a faixa etária:

  • Faixa etária de 5 a 17 anos: são recomendados jogos, brincadeiras, recreação, educação física de pelo menos 60 minutos com intensidade moderada a alta intensidade e pelo menos 3 vezes por semana.
  • Adultos 18 a 64 anos: são recomendados passeios, dança, jardinagem, natação, caminhar, pedalar, jogos esportivos ou exercícios planejados. Os exercícios devem ser de ao menos 150 minutos semanais de atividade aeróbica de moderada intensidade ou 75 minutos de alta intensidade.
  • Maiores de 65 anos: são recomendadas todas as atividades acima associadas às atividades de aptidão com exercícios aeróbicos combinados com os de força muscular, alongamentos, flexibilidade e equilíbrio.

É importante que todos sejam avaliados por um profissional visando identificação ou suspeitas de doenças cardiovasculares, para que cada perfil e biótipo receba a orientação adequada para a realização de atividade física. Não existem contraindicações à prática de atividade física, mas sim orientações adicionais para cada caso como cardíacos; gestantes; mulheres no período pós-parto, assim como adultos inativos ou aqueles que tenham alguma deficiência física ou mesmo limitação física.

Nós somos todos capazes de instituir a atividade física em nosso meio familiar para assim conseguirmos mudar de estilo de vida, gozando de todos os seus benefícios e almejando acabar com o mal do século.